segunda-feira, 12 de maio de 2008

Call me a cab


A música gospel enchia a caixa móvel, o taxista pensava em quanto tempo faltava para o fim de seu turno e a menina pensava em tudo, em nada, no bom, no ruim e no que causavam. Não eram coisas tão distantes umas das outras, se quer saber.
Uma coisa leva a outra e outra coisa leva mais além, depois de minutos de intensa reflexão, de pensar em 'quantas pessoas já passaram por esse taxi' e chegar a conclusão de que ele teria muita história pra contar se fosse convidado para tomar chá, o vivido taxi parou em frente ao número dezesseis, o taxista resmungou qualquer coisa, a menina pegou o que lhe restava do dinheiro, amassou-o contra a mão suada do taxista e saiu esquecendo dentro do carro seus devaneios e um pedaço de si mesma.

2 comentários:

I! disse...

E aí,quantas pessoas já andaram no táxi?

J. disse...

Eca, que pedaço ela esqueceu? D: