sábado, 26 de dezembro de 2009

Anos atrás, em língua nordestina

À meia luz, todos se reuniam na praça sentados em cadeiras dobráveis dispostas em fileiras, o silêncio só era quebrado pelo barulho do filme rolando de dentro pra fora pra dentro do projetor. Uma melodia contente e constante começou, a imagem de um garoto andando em sua bicicletinha antiga se estabilizou na tela, a música pedalava com ele. O garoto usava um macacão surrado e uma boina, pedalava pela calçada desviando das pedras, um pássaro o acompanhou por alguns momentos, notas musicais saiam de seu bico, o garoto se balançava ao guidão, se divertindo com a música.
Depois da mesma árvore passar três vezes ao fundo, o garoto parou junto à um canteiro, examinou curioso e colheu uma flor. Ele levou a flor preto-e-branca ao nariz e sorriu satisfeito, montou de volta na bicicleta e pôs-se a pedalar com mais vigor. A cabeça balançando com a música, a flor cuidadosamente em sua mão direita, a outra guiando.. e ele desceu em frente a uma casa com uma cerca branca. Uma menina e seu rabo-de-cavalo apareceram à porta, ela sorriu e correu até o garoto, pulando graciosamente em seus braços. Ele tirou a flor de trás das costas, galante, e a estendeu à amiga, ela enrubesceu e tomou a flor em suas mãos. Andando vagarosamente e lançando olhares ao menino, a garota voltou à sua residência. O menino viu-se sozinho na calçada, sonhador, voltou a montar em sua bicicleta e pedalou. O pássaro que o seguira mais cedo voltou a planar sobre ele, com as mesmas notas musicais escapando do bico em movimento, e assim os dois voaram até o horizonte, o menino pedalando e o pássaro cantando.
Jovens, adultos e idosos levantaram de suas cadeiras metálicas aplaudindo com lágrimas nos olhos, enchendo a praça de assovios e gritos de aprovação, alguns pés descalços e infantis sapateavam frenéticos, a lua e as águas que assistiram também demonstravam sua emoção brilhando e enchendo os pulmões dos nativos de calor e fascínio. Nunca teria passado pela mente daquelas pessoas na beira daquela praia que um dia tal magia fosse se materializar na frente de seus olhos famintos.


Tomara que o 'abstraia o fato da música ser da Lily Allen' tenha ficado implícito.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

BFFFL

Seria possível toda a musicalidade de um ser se propagar pelo tempo e pelo espaço, viajando anos-luz e quebrando barreiras inimagináveis, e no fim encontrar uma outra compatível? Tudo e todos são diferentes, como as impressões digitais, agora vamos adotar o conceito de que todos tem uma alma-gêmea, qual seria a chance de encontra-la no meio de tantas pessoas infinitamente diferentes? Cada uma com suas particularidades. Agora tenha em mente o fato de que nós, seres humanos, temos a tendência de nos machucar; com essa delicada facilidade humana, quais as chances de que, depois de encontrar e criar laços com sua suposta alma-gêmea, ela continue com você? Os números vão caindo, não vão?
Tudo isso de compatibilidade, eternidade, cuidado, é meio assustador. Mas o trabalho compensa. Então, encontrando um alguém assim, não importa o nome que você dá, mãe, pai, melhor amiga, namorado, cachorro, vizinho, cuide. Não o deixe ir. Se esforce, se doe, se arrisque. Porque quando você tem realmente um alguém pra contar, um alguém que está inteiramente com você, o que mais importa?

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Morphine, drama, music and a cup of coffe

Don't let our time fly away, or melt through your fingers, I wish we could stay in 11 p.m. forever, I wouldn't mind. Your cold hands, could they hold me tighter? This dark dizzy merry-go-round is scaring me. I wish you could see it, I wish you could understand. I wish I could taste some of infinity, I wish I could get dizzy with you, I wish I could have a moment when the time wouldn't matter, a glass of water and a pain killer.

Walking after you.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Error

Pelas ruas eles caminhavam, cada qual com seu respectivo sorvete em mãos.
- Engraçado a gente ter se encontrado justo aqui. - Ela comentou.
- Acho que a gente precisava saber um do outro. - Ele respondeu, concentrado em seu sorvete.
Virando na primeira esquina da direita, passaram por um homem que tocava seu violino como quem toca um violão, uma caneca velha esperava aos pés dele e seus olhos estavam fechados.
Eles sentaram no banco mais próximo do homem do violino e permaneceram em silêncio. Ela olhou tão fundo nos olhos dele que ele teve que desviar o olhar.
- E então, o que você fez no último ano? Há tanto a gente não se fala.. - Ela puxou.
- O de sempre, nada de especial.
- Ah, sim.
Pausa.
- Menina, eu tenho que ir. Uma vida pra seguir.- Ele se levantou e jogou os braços ao ar para findar largando-os atrás da cabeça. Um olhar de melancolia.
Ela se levantou também, para vê-lo mais de perto e guardar tudo o que conseguisse daquele momento. Cheiro, iluminação, a melodia do homem do violino, qualquer coisa. Todos sabiam que eles não se veriam mais. O acaso não existe.
- Bom encontrar você aqui. - Ela disse. E foi tudo o que ela pode dizer antes de ele desaparecer atrás do labirinto de paredes no emaranhado da cidade.
O homem do violino recebeu algum dinheiro com a partida da garota. Afortunados foram os que captaram a história planando com o vento naquele dia, mas depois daquilo, nunca mais ninguém ouviu nada parecido.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Almost like wonderland

Antes de tudo, bote pra tocar.
De pés descalços na grama molhada do fim daquela tarde, na beira do lago aquarelável, esperando alguma coisa acontecer. Munida em sua bolsa de tudo o que é necessário nessa vida; lápis, um bloco de folhas em branco, um maço de cigarros e um aparato musical com 30gigas de músicas que valem a pena ser ouvidas. Poderia levar o tempo que fosse, o tempo que fosse para ela se auto-afirmar, para ela ter uma epifania, para ter uma idéia brilhante, ou simplesmente para que ela decidisse que já estava tarde o bastante e deveria ir para casa.
Enrolou o cachecol em volta do pescoço com força, numa tentativa fracassada de se esquentar ou matar, e quando decidiu que já estava escuro e frio demais na beira daquele lugar aquarelado, levantou-se, tomou em mãos suas coisas e se virou para as árvores que lhe indicariam a saída. As mesmas, agora com aparências demasiado retorcidas, apontavam para uma direção ao norte. A garota seguiu as árvores, passando por um grupo de outras árvores igualmente curvadas, seguindo a pequena trilha que dava numa clareira. Clareira esta na qual centenas de fadas dançavam, com suas luzes coloridas piscando sem parar, ou seriam vaga-lumes? Se posso escolher, fadas então. A garota se aproximou devagar, as fadas abriram espaço, o aparato musical foi ligado em amplificadores estrategicamente imaginados na cena pelo narrador-observador e tudo virou festa. {você deve estar, pelo menos no 2:10min de Hello Seattle para continuar a leitura} Dançando a música da noite, e do aparato musical, a garota nunca se sentiu tão bem. Em meio a todas as luzes das fadas, entre as árvores torcidas e retorcidas, com o sangue pulsando em cada parte do seu corpo, sorria e se mexia como se deve fazer, até suas preocupações, pequenos monstrinhos cabeludos, dançavam aos seus pés. Tudo era luz, som, atmosfera, sentido.
A música foi terminando e todos se deitando na relva e rindo de dentro pra fora.

it's not the same without you, 'cause it takes two to whisper quietly

sábado, 14 de novembro de 2009

Frustrações de um dia bom

O que eu queria? Algo pra capturar momentos, sensações que duram nanosegundos, que meus olhos tirassem fotos, um reprodutor de humor ou algo assim. Só pra eu poder dividir coisas especiais com uma maior riqueza de detalhes. Mas como estamos longe disso, minhas palavras soltas para registros pessoais dão pro gasto.
No meio de todas as árvores, cachorros, sobre as telhas, na janela, no quintal, no lago, com os jogos, por entre as pessoas, no trator, nos tapetes, no quarto, na sala, com os peixes, perto dos arranjos, no escuro, com os bichos, com as luzes, tudo correu tão bem. E nunca foi assim.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

15:15

Stef, diz:
já que eu tô aqui presa nessa droga de computador, perdendo meu tempo, diz logo, o que você quer?
Mateus! diz:
você sinceramente não vai querer saber por aqui
Stef, diz:
então por que porra você me pediu pra entrar no msn se a gente não pode conversar agora?
Mateus! diz:
eu gosto de conversar baboseira desinteressante com você
Stef, diz:
ah
mas eu não posso agora, Mateus.
Mateus! diz:
e se hoje fosse o último dia?
Stef, diz:
que ultimo dia? de que?
Mateus! diz:
o seu, na terra. Ultimo dia
tipo
se o mundo fosse acabar amanhã!
Stef, diz:
você quer mesmo brincar disso?
Mateus! diz:
sério! se hoje fosse o ultimo dia você ia me largar pra ver tv ou algo assim? mesmo?
Stef, diz:
não
Mateus! diz:
e o que você faria?
Stef, diz:
ah,mateus..
Mateus! diz:
...
Stef, diz:
me despediria de você,acho
e sairia pra enxer a cara
Mateus! diz:
bem a sua cara
Stef, diz:
auhsuadhu
Mateus! diz:
não,sério.
Stef, diz:
o que VOCÊ faria?
Mateus! diz:
passaria com alguém que eu gosto. A gente ia sair, comprar uns sorvetes, roubar uma bicicleta, andar por aí, eu provavelmente jogaria meu sorvete nela só pra ela ficar irritadinha, e ai a gente ia rir. E ficar assim. Até tarde. Até amanhã. Até o fim do mundo
Stef, diz:
você ia escolher uma pessoa só pra se despedir?
Mateus! diz:
seria alguém especial. Além disso, eu deixaria meus pais curtirem um com o outro. E não tenho irmão nem nada. Então, sim, escolheria uma pessoa só
Stef, diz:
é,não é assim que eu imaginava teu ultimo dia na terra
imaginava mais algo do tipo.. você com aqueles babacas dos teus amigos de sempre, coçando o saco, fodendo umas pirralhas ou algo assim
Mateus! diz:
eu gastei todos os meus outros dias fazendo isso, sair da rotina faz bem. Além disso, não é bem isso que eu quero pra minha vida, se você quer saber
Stef, diz:
surpreendente. Não imaginava
Mateus! diz:
sou cheio de surpresas
*Mateus! chamou sua atenção*
*Mateus! chamou sua atenção*
Stef, diz:
que foi,porra?!
Mateus! diz:
pára de me fazer gastar as merdas dos créditos do meu celular nesse msn e olha pela porra da janela. Ou vai demorar pra perceber que eu tou tentando te levar pra tomar sorvete? De bicicleta! E você não é lá das garotas mais leves.. Acha que eu faço isso por qualquer um?
Stef, diz:
Porra,você ta mesmo ai! Ta,vou me arrumar e desço
Mateus! diz:
mas vai logo,vai que amanhã o mundo acaba!
*Mateus! parece estar offline. As mensagens serão entregues quando esse contato entrar*

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

& everyone is singin'

Música. Nada mais nada menos que os sentimentos de alguém, decodificados de um modo que as outras pessoas possam entender. E assim elas compartilham. Com ou sem palavras, de acordo com suas interpretações pessoais, a música é sentida, cumprindo seu objetivo. Melodia. Sustenidos, bemóis, dores, paixões, em pentagramas, tablaturas, no céu ou pelos meus fones de ouvido. Particularmente gosto das que me parecem tratar de amor, ou de algo proveniente disso, melhor que as músicas de amor, só as de dor-de-cotovelo. Bom é caminhar com acústicas metidas a agitadas, bom é chorar com música gritada, bom é amar com a poesia das letras, bom é curtir em parceria um solo de guitarra, bom é acordar com a melodia que vem através da janela, bom é sentir todo o tempo e a música maximiza essa percepção, esse sentimentalismo, essa minha vontade de viver. Bom é fechar os olhos e se deixar levar.

E a música não necessariamente precisa sair das caixas de som de alguém, música são as cordas vocais, música é momento, música é melodia que vem na cabeça de repente, música é arrepio, música é batucada, música é trilha sonora e é a gente que faz.

Meu humor é diretamente proporcional ao clima

Talvez eu realmente tenha que esperar algo ruim acontecer na minha vida pra me inspirar pra um novo post. E nessa brincadeira, não estou com a menor pressa.
Falling, falling, falling.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Enough

When you know that you'd do anything for someone and all you want is to see this special person happy, you can be happy. But when you know that this person is in pain and there's nothing you can do about it, specialy when you don't even know what the problem is, you feel the pain inside of you. As simple as that.

sábado, 10 de outubro de 2009

Estragando um bom texto

A maresia dominou minhas narinas; há muito que essa minha vontade de aventura me espetava as entranhas e eu finalmente poderia acalma-la. Amarrei um lenço na testa n'uma tentativa frustrada de manter meus cabelos no lugar, mas desisti dos dois e fui caminhar pelo convés, onde homens barbudos passavam o tempo. As nuvens se emaranhavam cada vez mais no horizonte, negras de tão carregadas, e nós nos dirigíamos diretamente à elas. Os homens encaravam a tempestade como quem encontra um velho rival - sorrindo sorrisos que seriam marotos se já não fossem esburacados - largados no madeiramento, esperando alguma coisa acontecer. O maior deles, de cabelos escuros, surgiu de um par de portas e após alguns segundos de análise, num urro determinado, pôs todos os outros de pé. Os marujos, ainda meio abestalhados, se esbarravam pelo local puxando cordas e içando velas em extrema velocidade. O motivo? Duas outras embarcações se aproximavam da nossa. Num salto me pendurei no mastro principal e o escalei, procurei os olhos do capitão e ele correspondeu com um aceno de cabeça, revelei nossa vela vermelha e desci com o facão entre os dentes.

Como dizem, sangue e vinho derramados no convés quando de repente surgem dez canhões. A partir daí não demorou muito, degolamos os manejadores dos tais canhões e miramos na segunda embarcação inimiga. Depois disso, enquanto os homens saqueavam, voltei ao meu mastro sujo, porém intacto, mas fui resgatada de meus devaneios pelos cabelos negros que pendiam sobre o meu rosto, os cabelos dele, ele estava àquela distância perigosa que sempre resultava em diversão para nós enquanto os outros bebiam e brindavam à própria cólera. E nos aproveitamos assim da escuridão da madrugada chuvosa, da embriagues e um do outro.

Chove, chove, chove, relampeja, troveja, a luz apaga, sinto seu calor, seu medo, chove, a luz acende, chove, o céu abre, pinga, o sol ilumina, seca, cabrum, chove, chove e você fica, chove, chove e você sorri, um sol ilumina, chove.

domingo, 4 de outubro de 2009

Pra garota do box 14

Pelos corredores pessoas choram, suspiram e se contorcem de dor, outras conversam alto ou gritam com os funcionários. O hospital é um lugar muito forte, cheio de drama e história pra contar. O medo é audível por estes corredores frios, bem como a angústia. Um lugar onde pessoas nascem e morrem o tempo todo deve ser mesmo um lugar interessante, mas o que mais atordoa é a quantidade de pessoas que estão bem no meio, entre a vida e a morte, lutando para respirar em meio ao sufoco das lágrimas geradas por essa grande montanha-russa, ou corda-bamba, chame como quiser, nunca fui boa com metáforas.

sábado, 26 de setembro de 2009

Narração

Tudo estava tão silencioso. Os dois lado a lado no sotão, encarando as bolas de poeira que corriam com o vento que entrava por uma fresta à esquerda. Ele tentava dizer, ela tentava ouvir, nenhum obtendo sucesso. Ela gritava em sua própria cabeça:
- Acabe com o silêncio! Preciso ouvir sua voz.
Ele afrouxou a gravata em seu desespero contido, fitou o teto, voltou à poeira e finalmente chegou aos olhos dela. Olhos negros e suplicantes. Tentou, mas acabou por engolir as palavras, intensificando o silêncio.
Os dois pareciam aqueles personagens de animação do Tim Burton, crianças cabeçudas, magras, compridas, com olheiras e aparentemente com muito pó de arroz nos rostos expressivos. Ela de branco, ele de preto, no sotão sem cor.
Para a surpresa geral da nação e para animar a narração, ele se levantou de súbito e caminhou pesadamente até a janela, abrindo-a com certo esforço. Voltou-se para ela com a luz do luar na nuca, ela sorriu um meio sorriso e pôs-se de pé. Ela andava até ele e eu - até então, meramente narrador observador - queria muito saber o fim da história, mas tornei-me narrador personagem ao quebrar o silêncio do lugar, esbarrando numa garrafa empoeirada. O jovem de preto logo me localizou, e tirou-me de meu esconderijo perfeito, atrás de um velho baú. Mesmo sendo fraco, era muito maior que eu, o que me intimidou. Ele me ergueu pelo colarinho enquanto a garota levava as mãos à boca, em horror. E aí quando eu vi, não estava vendo mais nada.

domingo, 20 de setembro de 2009

Sem planos pra mostrar

Das tantas coisas que eu poderia listar que admiro em você, pequena, opto pelas menores. Gosto de quando você escorrega os dedos pelas cordas do violão procurando inspiração, sem chegar a tocar nota nenhuma, e de como você torce a boca e o nariz pra pensar. Ou de como você morre de vergonha ao derrubar calda de chocolate na blusa - coisa que sempre acontece - e do castanho avermelhado dos seus cabelos. E de você me mandar mensagens ao longo do dia, puramente por mandar, e de rir das piadas que eu conto.
Uma vez me falaram que adorar é mais forte que amar, porque o amor caiu na boca do povo, é subutilizado, agora a adoração é algo grande, adorar é algo que dá trabalho, que te faz correr atrás. Na dúvida, amo e adoro.
O tempo passa, o sol pinta a tarde e a gente nem vê, ou melhor, a gente vê tão rápido que não nota o tempo passando. É como se aqueles filmes, aqueles em quadros, aqueles mudos. Pra que trilha sonora quando nós somos a música?
Te espio enquanto você não me notar, te respiro até me cansar, te escrevo sem planejar te mostrar, te amo como aquele que ainda sabe amar. E sem notar eu me distraio, perco tempo, arranco folhas de caderno, jogo as idéias pro alto, enlouqueço sóbrio e carente, canto pro espelho embaçado, mas você me deixa contente só de existir, só de sorrir, só de ser.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Pelo lembrete, pela foto e pela postagem

Primeiramente:
Você o torce, espreme, pressiona, faz chantagem, mas quando as gotas de criatividade deixam de ser expelidas do seu cérebro é um sinal de que é hora de arranjar uma gravata, colocar aquele cd da Alanis Morrisette no volume máximo {e eu indico a música Crazy} e, quem sabe, começar a se dedicar à algo novo como aquele concurso público que deixaria seus pais orgulhosos, construir a casinha do cachorro que você planeja comprar ou, quem sabe, ler um dos vários livros que você arranja e não abre.

Segundamente:
Pra que planejar o futuro se este, efetivamente, nunca chega? Isso é algo que deveria ser tatuado na pele, o amanhã nunca chega, e o passado - quando passa - se esquece. Faça hoje pra não deixar pra amanhã, diga hoje o que você tem à dizer, seja quem você nasceu pra ser. Fica o lembrete para quem vos fala.

Terceiramente:

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

O blog comeu meu post antigo, contente-se com um novo e sem empenho nenhum

Arrumou a jaqueta sobre os ombros e saiu, batendo a porta atrás de si. Ao alcançar dois terços do corredor, uma mulher precariamente enrolada num roupão de seda apareceu da porta previamente fechada pelo homem.
- É isso? É isso? - Ela gritou para as costas que se afastavam.
- É. - Ele respondeu sem ao menos se dar o trabalho de encara-la.
- Você aparece com toda a sua lábia, faz o que quer comigo e me larga assim? - Ela insistiu.
Ele parou no fim do corredor, já na porta do elevador, como quem escolhia bem as palavras. Virou-se lentamente para encara-la, ela enxugou os olhos rápida e indiscretamente.
- E o que mais você quer de mim? - Ele perguntou. - Não te dei o que você queria? Justo como você fez comigo.
- Você só pode estar brincando..
- Olha, Amanda..
- Miranda.
- É. Olha, se servir de consolo.. você não é a única, meu bem. - Ele sorriu. O mesmo sorriso que a conquistara na noite anterior. E sumiu atrás das portas do elevador.
Ele apertou o botão, passou as mãos nos cabelos, sorriu para a câmera que o observava e beijou o crucifixo que trazia no pescoço - única pertence dos pais que ele ainda não havia vendido.
- Mãe, Pai, prometo ser melhor com as mulheres.. numa outra vida, quem sabe.
Checou o relógio, ainda era cedo, sacou o celular no bolso, as chaves do conversível e saiu pela noite em busca de mais entretenimento.


domingo, 30 de agosto de 2009

Por falta de coragem no peito eu corri, corri em silêncio pra dentro da mata fechada, meus pés descalços sangravam, a barra do meu vestido há muito havia se perdido nos galhos das árvores que me encaravam, o verde - agora desbotado - de minhas roupas me lembrava você, as faces e braços das árvores me lembravam você, minhas lágrimas cristalinas me lembravam você, a melodia que ecoava na minha cabeça me lembrava você. Vivo num conto de fadas, posso ir e vir por motivos estúpidos, posso ter alguém pra me salvar no fim de cada problema, mas talvez fosse diferente agora. Minha respiração desritmada se espalhava pela floresta, junto com minha melodia, tornando-a meio desesperada. Espero que você entenda meus motivos, não poder mais encarar teus olhos verdes é ao mesmo tempo céu e inferno. Meu chão virou baralho, as cartas começaram a se abrir e eu a cair, todos os naipes e números passavam por mim, bem como Ace, Jack, King and Queen, com pressa no olhar. Não gritei por ajuda, deixei-me cair, pois pelo menos seria o mais honrado a se fazer numa situação de fim. Me dei conta de que nunca mais te veria e chorei, lágrimas prateadas, douradas e púrpuras, que cortavam o ar sobre a minha cabeça, chorei feliz pelo orgulho de pelo menos ter te conhecido e chorei triste pela saudade que a eternidade de queda me proporcionaria.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Onicofagia

Roer unha Dicas e Tratamento
Roer unhas (também conhecido pelo seu termo técnico onicofagia ou roeção de unha) é o hábito de morder as unhas dos dedos das mãos ou pés durante períodos de nervosismo, stress, fome, tédio ou ansiedade, sendo que roer a unha pode ser um método para aliviar essa ansiedade. Também pode ser um sinal de desordens mentais ou emocionais. As crianças começam a roer as unhas por volta dos quatro ou cinco anos de idade. O tratamento da onicofagia requer acompanhamento psicológico.
Segundo os especialistas, quando não é utilizado um esmalte especial, por exemplo, a pessoa pode buscar outra forma de aliviar a ansiedade correndo o risco de comer mais, ingerir diversos calmantes, jogar e até mesmo beber em excesso.
A onicofagia segue uma sequência de três posturas distintas, que são: a) posicionar a mão próximo à boca e permanecer cerca de alguns segundos a meio minuto; b) sequência rápida e espasmódica de mordida nas unhas com os dedos firmemente pressionados contra as superfícies incisais dos dentes anteriores; c) remoção do dedo da cavidade oral, quando o dedo é inspecionado visualmente ou apalpado. Durante toda a sequência, a expressão facial é séria. Se sente-se observado, repentinamente, interrompe o ato de onicofagia. E, isto pode ser um sintoma de complexo de culpa. Porém, os onicofágos inveterados têm dificuldade em interromper o ato, mesmo que observado e até ridicularizado.

Fonte: Os mais alheios sites da internet.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009


A água pingava dos cabelos dela e escorria pelo ombro, a toalha se livrou do máximo de gotículas que pôde absorver e foi ao chão. Munida de uma regata e de suas roupas íntimas, ela deixou o banheiro em busca do par de olhos castanhos que a esperava do lado de fora.
- Bom o banho? - Ele perguntou com sua voz aveludada.
- Só faltou você. - Ela respondeu, torcendo a água dos cabelos no chão. Ele sorriu.
- Vou agora, tava terminando uma coisa importante. - Ele declarou.
Ela se largou no pescoço dele para beija-lo e antes que se desse conta, foi carregada até a varanda do quarto de hotel. Quando abriu os olhos, viu que a mesinha da varanda estava repleta de tudo o que você poderia querer num bom café da manhã, sem falar no singelo par de flores ao centro. Ele a pousou na cadeira, deu um beijo no pescoço e se acomodou bem ao seu lado para apreciar a vista com a qual tanto sonharam juntos.
- Feliz terça-feira. - Ele murmurou.
- É uma data especial da qual eu deveria estar me lembrando? - Ela perguntou, com um certo medo da resposta.
- Podemos fazer ser.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

De todas as minhas músicas favoritas, desde as cheias de solos bem elaborados às baladinhas simples e cativantes, nenhuma me enche tanto de felicidade quanto ouvir você sorrindo, você feliz, você brilhando. Principalmente quando eu, de algum jeito, posso participar disso.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Quando uma boa noite de sono parece inalcançável e tudo o que lhe resta é o seu amigo laptop

Enquanto quinze mil oportunidades parecem se revelar, nem 10% delas soa como mais que ilusão. É como dizem, quando uma porta se fecha, duas se abrem, mas eu sinto que se correr em direção a uma delas, ela vai ser falsa, pintada na parede, e essa idéia é assustadora para alguém como eu, é como o monstro que eu sei que mora debaixo da minha cama, aquele que come minhas meias favoritas no lanche da tarde. Numa hora dessas, quando você não tem o que gritar, muito menos alguém pra ouvir é que você deseja um pouco de simplicidade. Todo mundo reclama da normalidade, todo mundo atira pedra na rotina, mas pior mesmo é não ter nenhum dos dois quando parecem ser o que você mais quer. Hoje eu mesma fiz um discurso sobre segundas chances, vontades, necessidades e sobre amor, mas eu ainda não tinha parado pra pensar nisso mudando o personagem principal. E foi como se estivesse ali o tempo todo, debaixo do meu nariz, rindo de mim, a verdade das verdades, por maior que seja e por mais que eu tente esconder. A inevitável tristeza e desapontamento dos dias que tem corrido devagar, devagar.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Absolutamente

Na melhor das hipóteses, ouvindo as músicas mais altas, escandalosas e rápidas que estão disponíveis no universo dos iPods. Não é como se fosse algo mais do que está acontecendo, escreve todas as palavras que vem na cabeça, sem formar uma ordem cronológica, um sentido completo ou sem tentar agradar ninguém. Esse é o lance. Não agradar ninguém. Ser como tem que ser, fazer o que sentir que deve fazer, dançar onde e com quem quiser sem se reprimir. [não se reprima, não se reprima (8)]. Um monte de baboseiras maquiadas pra você pensar que nada está bem, tudo está bem, que nada está como não deveria ser. Sendo como for eu, você e os outros como nós já estão carecas de saber, literalmente falando, que toda essa falta de tempêro, falta de complemento e tantas coisitas mais te fazem pensar em como absolutamente nada do que dizem faz sentido. Nada do que eu digo faz sentido. Amor, figurinha, sexo, festa, molho de salada, bartender, gramática, radio, níveis e níveis cheios de vultos mascarados querendo nada mais nada menos que o sentido das palavras que já não mais me pertencem, de modo que meus dedos correm soltos pelo teclado na tentativa ridícula de ser mais do que eu sou. Amo muito tudo isso. Love Dearest. Don't you leave me, I'm not sick of you yet. Seu amor amando de menos tudo o que a digestão musical me permite imaginar. Suas serpentinas voando a km do chão, de velocidade não calculada e de calças abaixadas, se pelos bigodes da vida você ou qualquer outro continuam absorvendo pelas retinas os relatos de uma adolescente individada e desvairada, a saida é para o outro lado. Lado este, contrário ao lago no qual você gostaria de mergulhar. Oh,panquecas.

sábado, 1 de agosto de 2009

- Ele ficou bem triste quando você não o quis mais. - Me disseram.

- Tenho a impressão de que ele é o cara que vai te machucar. - Me disseram.

- Nada mais justo. - Eu digo a mim mesma.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Meu mundo gira devagar

amanhã começa tudo outra vez.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Autópsia

Pra ser sincera, o que aconteceu com a gente foi a repressão de uma série de sentimentos, falta e falha de comunicação e um pequeno azar geográfico. Uma pena. Não foi falta de amor, foi a impossibilidade de demonstrá-lo juntamente com uma série de mal-entendidos.
Essa história toda começou com uma frase, de uma música, e terminou de maneira ridícula, não por causa de Fulano, Verão, Ciclano ou qualquer outro, mas porque entre eu e você havia mais do "primeiro parágrafo" do que eu pude agüentar naquele momento, naquele domingo, prestes a encarar outra semana insuportável. Insuportável como a semana anterior e como a semana do feriado, antes daquela.
Tudo bem o que você acha de mim, da situação, do motivo, ou do caralhoaquatro, assim como está tudo bem eu não me importar mais com nenhuma dessas coisas. Tá tudo bem.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Tipicamente brasileiro

Saí da locadora e sentei n'um banco perto da praia para fumar um cigarro, larguei os filmes e a mochila, cocei o saco e dei uma olhada na rua. Não muito longe de mim havia uma garota, 13 anos no máximo, roupas curtas e um par de curativos nos calcanhares, provavelmente por causa dos sapatos de salto que usava. O piercing que ela tinha no umbigo brilhava toda vez que o farol dos carros que passavam a iluminava, sua maquiagem era pesada para alguém tão nova e a barra de sua saia [ou cinto..] estava manchada de alguma coisa. Longos foram os minutos que perdi e cigarros que gastei analisando a tal da garota, quando ela notou pareceu gostar, mas o tempo foi passando e ela parou de prestar atenção em mim. Mais alguns segundos e ela virou-se de súbito.
- Do you want a piece of me? - Perguntou em tom nada raivoso e com um sotaque tipicamente brasileiro.
Fiz que não com a cabeça e ela deu de ombros, voltando sua atenção novamente para a rua e para os carros que passavam, possivelmente cheios de gringos com dinheiro pra gastar.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

O que me lembra..

Eu fiquei assistindo você cantando para você mesmo, não sabia que você estaria naquele lual, bem como não sabia se você lembraria de mim, então resolvi ficar te olhando de longe. A garota que estava com você tinha acabado de levantar para cumprimentar umas amigas, e você ficou lá, sozinho no sofá, cantando baixo. Minha vontade era de sentar ao seu lado e cantar contigo, ou te ouvir com atenção, ou só sentar lá, mas eu não fui. E aí eu fico aqui me perguntando se algo seria diferente se eu tivesse dado alguns passos corajosos e dito 'ei, música legal, pode me ensinar?'
Talvez não, talvez sim, talvez a tal da tua acompanhante tivesse chegado bem na hora, perguntado 'quem essazinha pensa que é?' e jogado kadov na minha roupa. Talvez sua acompanhante tivesse sentando e cantado uma ou duas músicas com a gente. Talvez ela não voltasse e você tivesse tempo para inventar uma desculpa e me deixar ali sozinha. Ou talvez você lembrasse de mim, talvez a gente se apaixonasse e talvez a gente tivesse alguns filhos hoje pra ensinar a tocar violão e levar ao parque no domingo pra tomar sorvete de morango. Acho que eu nunca vou saber, mas me arrependo de ter me conformado com essas coisas que nunca farei ou com as que nunca direi.



Noite de karaoke na casa do Gueds. Você e eu, a dupla infalível. Depois de umas quatro edições do evento, todos já haviam desistido de cantar contra nós. Chegava a ser meio chato não ter adversários, vez por outra alguém aparecia e cantava um Mamonas da vida, mas só isso. E eu não posso dizer que achava ruim, você que me fez gostar, sabe.. de música. Tinhamos bilhões de músicas só nossas, daquelas com olhares trocados em partes específicas e brincadeirinhas feitas entre uma estrofe e outra. Palavras que a gente mudava de propósito pra letra ficar mais divertida ou, as vezes, uma ou outra dancinha ou remexer de quadril em momentos estratégicos.
Eu me sentia inteira quando estava com você, quando cantava com você, quando sorria com você, tava até meio na cara, só você que não viu. Todo mundo comentava, quem não conhecia achava até que a gente era namorado, irmão pelo menos. Não sei porque nunca te contei, só sei que a gente foi perdendo contato, depois da escola essas coisas ficam fodas, e aí foi indo, foi acomodando e hoje você está aí pelo mundo. E o pior.. sem mim. Não sei como deixei isso acontecer. Não sei quando te perdi, só sei que metade de mim foi contigo. Hoje escuto nossas músicas e choro, lembro do tempo da casa do Gueds, lembro até de quando ele brincava Ah, mano, vocês dois que vão pagar o aluguel do karaoke. Lembro demais.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Olha lá,

sobre as nuvens da terra distante por onde a gente passou, o mar de sonhos que você deixou pra trás ao ir comigo e os tantos outros que sonhamos juntos.
Tá vendo?

Keep Dreaming Upside Down

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Axolote

Este animal mítico saiu direto dos contos de fadas e dos games de Pokemon para ser o mais novo bichinho de estimação dos seus filhos! Super fácil de cuidar, vive muito bem n'um aquário simples com uma decoração básica e, preferencialmente, com um parceiro. Adquira o seu agora mesmo! Axolote, o bichinho aprovado pelo público pelo sucesso em cativeiro!
Lembre-se de que é necessário mantê-lo sempre dentro do aquário.
Esta larva neotônica sexualmente ativa está clamando para ser o novo melhor amigo do seu filho. E comprando agora você ainda leva o kit Axolote Feliz para ser o melhor dono possível deste animalzinho comedor de insetos e ração para répteis.

- Alguns especialistas acreditam que não existam mais espécimes selvagens.
- Exemplares albinos também são encontrados.

domingo, 14 de junho de 2009

Por um momento ou dois eu realmente achei que seria difícil rir, mas vocês devem gostar de fazer com que eu não tenha razão. Parabéns.

E quando eu estava sozinha, teve o que me levou:
Cafe da mania da Tifannies
I'm not in love this time, this night.
Josey, don't you worry, it's just a phase you're going through.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Sem propósito

Ela chegou em casa, jogou a mochila sobre a cama e foi trocar de roupa, pegou a bermuda xadrez alguns números maior e a encarou, vestiu. Pegou a blusa branca decotada, a touca cinza estilo marginal e algumas pulseiras bem rock'n roll. Se olhou no espelho, os cabelos estavam bagunçados, o elástico de sua calcinha estava a mostra e as pulseiras largas tentavam escapar de seus pulsos. Fora do comum.

Foi até o quarto do irmão, pegou suas baquetas e voltou para a frente do espelho. A menina fazia caras e bocas empunhando as baquetas e fazendo pose de estrela do rock. Usava todas as roupas que as amigas diziam não lhe cair bem e todos os acessórios que faziam seus pais a olharem torto, ela se sentia muito bem com tudo aquilo. Muito bem saindo da rotina.

Ela ligou o som e começou a sacudir as baquetas como se estivesse executando uma seqüência complicadíssima em sua bateria imaginária. A campainha tocou, era aquele garoto simpático da casa da frente.

- Você tem um.. - Ele parou e deu uma boa olhada nela. Ela corou. Ele retomou a fala. - um.. deixaram uma carta pro seu pai lá em casa.

O garoto a estendeu um envelope lacrado e voltou a gaguejar:

- Se.. se vocês precisarem de alguma coisa é só ligar. Tem uma caneta?

Ela pegou a caneta e ele anotou o telefone em sua mão. Mais precisamente, seu celular.

-Aí você liga, tá? Até se estiver sem fazer nada e quiser conversar, não sei. Pode aparecer lá em casa também se acontecer alguma coisa com o seu telefone.

A garota fez que 'sim' com a cabeça, agradeceu e fechou a porta. Suas bochechas ardiam, e muito provavelmente as dele também, ambos se encostaram a porta de mogno, ele do lado de fora e ela do lado de dentro, suspiraram em unissono e cada um seguiu seu caminho, esperando alguma coisa acontecer.

Tem coisas que simplesmente acontecem.

sábado, 23 de maio de 2009

Sobre vaga-lumes

♦O garotinho corria atrás das pequenas criaturas que dançavam a sua volta. De mãos abertas e brilho nos olhos grandes, gargalhava pelo campo sob o olhar vigilante do pai, que sorria e se divertia junto. Os vaga-lumes voavam para fora do alcance do garoto, mas sempre voltavam para lhe arrancar mais um par de sorrisos sinceros.
♦O executivo sob pressão parou o carro no acostamento meio de qualquer jeito, sacou o maço de cigarros e acendeu o primeiro, aspirou as toxinas com vontade e soltou a fumaça aliviado. Repetiu o exercício respiratório mais algumas vezes e ao abrir os olhos, sorriu, sorriu por ver um pouco de natureza em meio a toda aquela cidade. O vaga-lume saiu rápido do campo de visão do executivo, mas sua aura permaneceu na cabeça do homem por mais dois cigarros inteiros. Deu uma última tragada, abandonou o filtro sob a sola do sapato e voltou à sua vida.
♦Do outro lado da cidade um casal apaixonado trocava juras de amor eterno em meio às árvores. Deitados no capô do carro, dedos entrelaçados, embalados pela música qualquer que tocava no rádio, o casal contava estrelas. O primeiro vaga-lume apareceu e prendeu o olhar dos dois, iluminando-os por dentro. Com suas asas cansadas pousou numa árvore, a respiração ritimada e os corações do casal acompanharam o acende-e-apaga do vaga-lume, já velho.

♦Da comunidade: "these tiny creatures have always mesmerized me with their angelic glows visible as gentle flashes during countless warm summer night walks. Community dedicated to the little fairies of the dark :) and to people who've ever observed them and fallen in love with them :)"

♦Do diálogo: "Engraçado como eu inventei toda essa história de vaga-lume pra te ajudar a sair da caverna, mas quem teve o caminho iluminado fui eu.."

sábado, 16 de maio de 2009

cinqüentaeum!!

Ô sábado de merda :D
A partir das 22h, pelo menos.
Não me assusta assim, vai.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Printemps

O palhaço caminhava pela praça francesa ao som do acordeão, seus sapatos grandes adicionavam graça ao seu gingado-malandro. As crianças corriam atrás de uma bola azul e amarela, a menina tinha uma fita no cabelo, o menino um bonézinho em mãos. O pintor molhava o pincel nas tintas da paleta em busca da mistura perfeita para retratar o casal de velhinhos que posava sereno. Um rapaz costurava por entre os pedestres com sua bicicleta velha. Uma garota, mais afastada da massa de bons franceses, deslizava as mãos pelo corpo do namorado enquanto este tentava acender mais um cigarro. O compositor frustrado se contentava em tocar seu acordeão para os passantes na praça. O vendedor de pães deu uma piscadela discreta para a vendedora de flores enquanto seu marido ouvia ao futebol no rádio de pilha. O homem magro sonhava acordado com coisas de amor. A moradora do terceiro andar do prédio regava suas margaridas. A primavera se arrastava sobre a praça junto à música
E eu digo, cá entre nós
deixa o verão pra mais tarde.

sábado, 9 de maio de 2009

9 de maio






Pintei as unhas de verde.

domingo, 3 de maio de 2009


I'm not gonna write you a love song
'Cause you ask for it
'Cause you need one

Let's just say that you took my breath away when you left. But not the colors, because they're with me when I think about us.
'How often do you think about him?'

sábado, 2 de maio de 2009

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Lovesick melody,

tanto girando tanto que me rouba a fala. Construo uma linha de raciocínio quando puder, prometo.

domingo, 19 de abril de 2009

Já era noite, um grupo de pessoas deixava o estabelecimento, dentre elas um par em especial.
- Tem certeza que você tem que esperar aqui? - Ele perguntou, botando uma mecha de seu cabelo escuro atrás da orelha.
- Tenho. Se sair daqui perco a carona. - Ela respondeu, segurando a bolsa como podia.
- Mas tá chovendo! - Ele protestou.
- Eu notei.
- Espera um pouco. - Ele tirou um casaco da mochila e o colocou delicadamente por sobre a cabeça dela.
- Nossa.. obrigada. - Ela levantou uma das pontas para observa-lo melhor. Ele sorriu.
A chuva ia ficando cada vez mais forte, ela o puxou para debaixo do casaco e ele a abraçou pela cintura numa tentativa frustrada de aquecê-los. Ele com os lábios na testa dela, ela com o nariz no queixo dele, o casaco sobre os dois, nada de carona e a chuva chovendo.

Apenas uma passagem.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Título interessante

Eu tive um daqueles sonhos em que estou num talk-show outra vez, é sempre perturbador.
- Sejam bem vindos ao nosso programa, hoje vamos ter uma conversa com Jack, um garoto que afirma não ter coração. Seja bem vindo, Jack! - O apresentador me apresentou.
Aplausos.
- Oi, é bom estar aqui. - Informei.
- Isso pareceu bem emotivo, por que você afirma não ter coração?
- Não crio laços afetivos com ninguém. Não quer dizer que eu não tenha emoções, só que.. não sei, acho que não tenho a 'vontade de permanecer com alguém por muito tempo'.
- Então você não é um cara de relacionamentos, certo, Jack?
- É, tipo isso..
- Quem foi sua última namorada?
- Nunca namorei.
Aaaaw.
- Mas você parece um cara tão interessante, Jack. Conte-nos, por que nunca namorou? Você é tímido?
- Eu só nunca quis. Eu tenho amigos, sabe, mas nunca quis nada mais com nenhum deles. Nem com ninguém.
- Entendo, entendo.. Então conte-nos, você é um cara tímido? Haha.
- Não, cara, eu só.. olha, eu nunca quis namorar, sabe?
- Entendo, entendo. Você deve ser daqueles caras pra casar, está esperando a mulher certa, certo?
- Eu acho que não quero estar com ninguém. Pelo menos nunca quis, não até agora.
- Vejamos se uma das garotas da plateia resolve seu problema.. O que nos leva ao próximo quadro, 'Fica comigo'!
Aplausos.
- Vamos, Jack, você quer conhecer a garota da porta número um, dois ou três?
- Cara, você não está me ouvindo, está?
- Ele disse porta dois, meninas? Porta dois então! Aqui temos Becky, uma estudante de..
- Olha, cara, aprecio o que está tentando fazer.. o caralho, não aprecio você estar me usando pra conseguir audiência pro teu programa estúpido, mas para eu parecer um cara gentil na tv, finja que eu não disse isso ou corte essa parte mais tarde, certo?
- .. O que nos leva diretamente à porta número um! Esta é Susana!
- Eu não tenho coração, ele não tem cérebro e estas mulheres não tem amor-próprio, o que estou fazendo aqui?
- Susana gosta de sushi e cinema. E isso tudo é um sonho, você sabe.
- Isso me lembra de quando eu achava que tinha um problema. O problema mesmo é não poder acordar.
O apresentador tirou um guarda-chuva do bolso do casaco e o abriu com um apertar de botão.
- Sabe, Jack.. a gente sempre pode fugir com o vento mesmo que não seja o certo.
- Ah, tem razão. - Peguei meu guarda-chuva e o abri, o apresentador já estava voando alto quando meus pés saíram do chão. A moça que gosta de sushi e as das outras duas portas discutiam no palco a medida que ele ia diminuindo e se perdendo sob meus pés, senti o vento-imaginário tocar meu rosto e me deixei voar até o barulho irritante do despertador do celular me puxar de volta para meu quarto e para a minha segunda-feira. Lembro de uma vontade louca de destruir o estúdio ter passado pela minha cabeça antes de acordar, quando eu teria outra chance daquelas?
Acordei também com uma vontade de ir até um estúdio e gravar a música que eu escrevi pra você. Você? Acho que estou ficando louco. Será?

terça-feira, 14 de abril de 2009

Ái, esse não-sei-o-que

Gosto tanto de você que até me dói. É tanto desse não-sei-o-que que eu imagino como será o dia em que resolvermos seguir caminhos diferentes - vou gritar, espernear, sangrar e chorar até o dia em que a ferida curar. Vou ficar com uma cicatriz, você sabe, você me marcou, é pra eu não esquecer nunca. Ao olhar pra ela não vou sofrer, vou lembrar, talvez eu esqueça sua voz, seu rosto, a cor exata dos seus olhos, mas vou sempre levar comigo na memória as flores que colhemos juntos, os lugares por onde passamos, as músicas que cantamos e esse tanto de não-sei-o-que que me emocionava cada vez que eu olhava pra ti. É como se um calor, que me enche de orgulho de ter te encontrado e colhido pra mim, esse não-sei-o-que que nos conecta e transforma sua felicidade no meu céu e sua tristeza em minha sina.
Ái esse não-sei-o-que. Coisa mais linda não há, nem coisa mais preocupante, tão delicado esse sentimento, arranha tão fácil.

Me liga, me manda um sinal de fumaça, me conta, não me esquece, porque enquanto você comigo, somos infinito.
Enquanto dure.

terça-feira, 7 de abril de 2009

As dez horas sentada no avião valeram a pena, as dores de cabeça do passaporte e do visto valeram a pena, o dinheiro gasto valeu a pena e tudo pelo modo como seus olhos brilharam quando eu apareci na sua porta e gritei Surpresa!

E você? Lembra qual foi o melhor abraço que você já ganhou?

Resumo da ópera

Gostaria de agradecer a minha família e amigos por terem me apoiado nas horas difíceis, sem eles eu não estaria aqui hoje. Tudo começou em meados do ano 2003, quando todas aquelas mudanças na minha vida aconteceram, parecia que o mundo ia acabar, mas eu encontrei logo um grupo de pessoas muito especiais. Com elas eu tive uma infância, aprendi coisas, fui um pouco do que eu já era mesclado com um pouco de cada uma. Em 2007 o grupo já era outro, e eu me vi lapidando meu eu novamente, cresci de diversas maneiras e o tempo foi passando. Em 2008 vi meu irmãozinho virar gente, pensar por si próprio e contar piadas, mas pra compensar, talvez tenha sido o ano em que meus pais se fizeram mais ausentes, sobrecarga de trabalho. Eles [juntamente com Táta] sempre foram minha única família, nunca soube o que é um 'almoço na casa da avó no domingo' ou um 'encontro de família na fazenda da tia Fulana', então a falta me doeu. 2009 tem sido um ano de experimentar, coisas, jeitos, modos, frases de efeito, tenho sentido bastante as pessoas ao meu redor e isso é bom.
Agradeço mais uma vez a todos vocês que me fizeram curtir os dias, suportar as noites e vice-versa, bcoz of u i'm sexteen now bitch!
rip your pants out and scream with me: êh, macarena!

domingo, 5 de abril de 2009

- Tá debutando ou fazendo quatorze?
- Quatorze.
- O que? Tá brincando? Cresce logo! Como a gente vai casar assim?!
- É, né. Tem razão. O que será de nossos planos?
- Exato.
- E do México..?
- É, como a gente vai fugir pro Novo México se você não crescer logo? Eu vou mesmo ter que dirigir o caminho inteiro?

Para mais informações clique aqui.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Mais clichê impossível

Os olhares se cruzaram à distância, veio aquela faísca e então tudo parou. O som, os movimentos e por muito, muito mais que só um momento.
As amigas disseram alguma coisa e foram indo embora, ela se virou pra se despedir e quando voltou pra procurar os olhos achou-os muito mais próximos do que esperava.
- Oi - a voz era musical, rouca, gostosa de ouvir. Um ou dois cachos caiam por cima de seus olhos amendoados.
- Oi.
- Você estuda aqui?
Ela olhou pro símbolo do colégio na blusa do uniforme, voltou a olhar pra ele e respondeu com um quê de dúvida:
- Acho que sim.
Ele riu baixinho, colocou um punhado de cachos atrás da orelha e se apresentou:
- Meu nome é Gustavo.
- Bárbara.
Os dois se assustaram quando o telefone dele soltou os primeiros acordes de Born For This e Bárbara se surpreendeu com a música.
- Uau, você gosta de Paramore?
Ele só sorriu e atendeu o telefone. "Ué, mas já?..Ahã.. Tá bom.. Tchau".
- Eu tenho que ir.
- Já?
- É, desculpa. Mas.. me dá seu telefone, me diz seu nome, sei lá. Tenho que te achar depois - Gustavo entregou-lhe o celular e ela salvou seu número.
- Caramba.. A gente se conhece há 3 segundos e você já tem meu nome e meu telefone. Você é sempre tão galanteador assim?
Eles riram e ele sacudiu a cabeça negativamente.
- Na verdade não, mas.. Eu não posso deixar você escapar, né?
Bárbara sorriu sem graça, devolveu o celular pra Gustavo e respirou fundo tentando achar um pouquinho do perfume dele, pra guardar na memória.
- Tchau, Gustavo.

Por: Ila M.M.

terça-feira, 31 de março de 2009



À esquerda havia um painel de avisos, à direita um conjunto de armários, várias pessoas sem rosto ao longo do corredor e no fim, bem no fim, estavam alguns pares de rostos conhecidos, o único traço de familiaridade naquele cenário. Ela começou a andar na direção dos rostos, mas uma dor sufocante a deteve, ela levou as mãos ao pescoço e se descobriu amarrada. Girou nos calcanhares e se deparou com um homem na outra ponta da corda amarrada a ela, ele sorria um sorriso sedutor, meio maroto. Ela tentou correr, mas o homem não soltou a corda e a corda não soltou seu pescoço, enquanto o ar deixava seus pulmões, os estranhos sem rosto aplaudiam. Ela buscou seus rostos conhecidos, eles a olhavam de longe, nem felizes nem tristes, só olhavam. O homem se aproximou dela e a encurralou contra a parede, os desconhecidos continuavam a aplaudir, desta vez emocionados, enquanto ele prensava seu sorriso maroto contra os lábios rijos dela. Ela desistiu de lutar, talvez fosse a falta de ar, mas tudo ficou meio nebuloso ao som das palmas dos estranhos, os rostos conhecidos já não estavam mais lá olhando, a corda já não apertava seu pescoço, o homem segurava suas mãos com um ar zombeteiro e foi com esse ar zombeteiro em mente que a garota acordou gritando.


terça-feira, 24 de março de 2009

Será?

Talvez, só talvez as coisas não sejam tão difíceis como você diz que são. Pela primeira vez você está sentindo que vai dar certo, na verdade.. você sabe que vai dar certo, sabe que não é nenhum bicho de sete cabeças. É uma certeza-momentânea que você tem. E quer saber.. talvez seja isso mesmo. Talvez todo aquele medo que você vinha sentindo fosse totalmente sem fundamento, talvez as coisas possam dar certo pra variar. Talvez, só talvez. Talvez você devesse tentar.

domingo, 22 de março de 2009

Love story

Nossos olhos castanhos se admiravam de um jeito bobo-bobo.
- Ei, vem cá.
Você se debruçou sobre a mesa na minha direção.
- Mais perto.
Mais perto.
Te roubei um beijo e virei meu sorvete de casquinha no seu nariz.
- EI! - Você protestou e tentou agarrar meu braço numa tentativa frustrada.
Vi de relance os olhos do garçom se arregalarem enquanto eu corria, você veio atrás de mim, a mesa virou e o nosso milk-shake se espatifou em câmera lenta.
Continuamos correndo, eu rindo, você fingindo raiva. Pulei um banco, atravessei um gramado e quando não podia mais correr você me agarrou pela cintura e nós giramos pelo campo.
- Eu devia me vingar de você! - Você brigou, limpando seu rosto na minha bochecha. O gelado me arrepiou. Corri meus dedos pela sua nuca, peguei um pouco daquele sorvete todo, passei em você, em mim e ri dos nossos rostos sujos. E com aquele sorriso que eu adoro, você roubou aquele beijo de volta.

quarta-feira, 18 de março de 2009


Meu coração dita o ritmo e eu sigo cantando.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Veio com o sal da brisa

O sol brilhava forte, as ondas faziam aquele barulho gostoso de ouvir, a brisa salgada soprava os cabelos queimados de sol da garota. Era uma manhã perfeita para navegar.

Ash arrumou o revólver e a espada na bainha, pegou um vidrinho no bolso das largas calças escuras e deu um gole em seu conteúdo.

- Não acha que está meio cedo pra isso? – Um homem de voz cansada que esfregava o chão perguntou. Ele devia ter seus trinta anos, usava uma bandana listrada e parecia não se barbear há semanas.

- Aprendi com o melhor, Carl. – Ela sorriu para ele.

- Eu não devia ter começado a beber na frente dela. – Um segundo homem apareceu, pegou o vidrinho da garota e deu um demorado gole. Ele era maior que o primeiro, tinha uma cicatriz que ia da sobrancelha até o meio de sua bochecha, uma careca reluzente, olhos verdes-mar e um cavanhaque escuro. Seus braços eram cor-de-sol assim como todas as outras coisas no navio, está no pacote para ser pirata.

- Olá, capitão. – Ela cumprimentou.

- Quando vai me chamar de ‘pai’?

- Gosto de ‘capitão’, me faz me sentir meio pirata.

- Capitão, tem um navio se aproximando. – Carl avisou.

- Ei, Roux, largue o timão! O mar me chama! – O capitão gritou para o timoneiro e correu em sua direção, ele costumava ser meio impulsivo.

O timoneiro era um jovem ruivo, alto e magro chamado Roux, mas só o capitão e Ash o chamavam pelo nome, o resto da tripulação o chamava de Timoneiro.

- Tomara que o capitão não queira encrenca com o outro navio. – O homenzinho barbudo suspirou e voltou a esfregar o chão.

Roux deixou-se cair sobre um caixote e fitou o céu, Ash sentou ao seu lado.

- Hey, Roux. Não liga pra ele não, ok? É saudade dos tempos de timoneiro.

- Ah, certo. – Ele sempre ficava meio sem palavras perto dela.

Roux desceu do caixote e sentou no chão ao lado da garota, ela o olhou nos olhos com um ar curioso.

- O-o que? – Ele gaguejou.

- Gosto dos seus olhos. O jeito como eles brilham. – Ela disse chegando mais perto. Ele sentiu o rosto esquentar, as bochechas estavam quase da cor dos cabelos.

- Vem aqui. – Ele pediu.

Ash levantou e eles se debruçaram sobre a amurada. A menina passou os dedos no ‘Poison’ escrito em dourado na parte externa do clipper, o rapaz a admirava e seus reflexos sorriam. Sorriso divertido, sorriso apaixonado.

- Eu.. – Ele começou. Algo o atingiu com força nas costas. Era Lyon, o irmão mais velho de Ash.

- Tire as patas da minha irmã, Timoneiro! – Ele brincou.

Lyon era exatamente como a irmã: Sardento, moreno, alto, olhos verdes-mar e cabelos dourados-de-sol. Usava uma pequena argola na orelha e uma moeda de ouro pendurada no pescoço.



- Thomas! A quanto tempo, amigo! - Ele disse abrindo os braços musculosos e queimados de sol característicos dos piratas. Tudo fica meio queimado de sol depois de algum tempo dentro de um navio.

Acho que o sobrenome dele era Straw, do teu capitão.

No dia 29 de Junho de '08 eu te disse que mostrava até onde escrevi. Bom.. foi até aí. Teu Amèlie ainda não chegou, mas quem sabe um dia a gente não termina isso?

quarta-feira, 11 de março de 2009

Relatos confusos

Na Rua Albuquerque, na esquina da casa 6, perto da calçada, aos pés da árvore, sentados na pedra, debaixo da chuva, nos beijamos. Como nosso primeiro beijo e importantíssimo por ser o beijo de reconhecimento de território, percebi algumas coisas. 1- Seu beijo era suave de um jeito fantástico 2- Beijar na chuva trás uma sensação boa 3- Eu e ele tremíamos, provavelmente de frio 4- Meu coração batia rápido de um jeito estranho, achei que ia explodir, mas eu não podia explodir sem olhar nos olhos dele e dizer algo tipo 'uau, você mexe comigo, mocinho', ou qualquer outra idiotice que eu conseguisse empurrar através do meu sorriso-bobo 5- Ok, acho que não notei tantas coisas, estava ocupada.
Encostei minha testa na dele e ficamos assim algum tempo, seus lábios pressionaram os meus mais um par de vezes e voltamos a nos olhar, tão perto, tão perto.
Prometemos nos encontrar ali no outro dia e o fizemos, várias vezes, e com o tempo e nossos encontros, meu coração infantil se preenchia. Não foi preciso mais que algum tempo para meu coração ficar cheio de todos aqueles sentimentos loucos e bruxuleantes, minha barriga ficar cheia de todas aquelas borboletas agitadas e descordenadas, meus olhos ficarem cheios de vontade dos olhos dele e os procurarem a cada momento na rua, no céu, na minha casa, minhas mãos ficarem cheias de vontades de traçar o contorno das mãos dele e todos esses tipos de sensações que caras potencialmente perfeitos nos proporcionam.
Mas isso tudo já faz muito tempo, nossas vidas tomaram rumos diferentes por razões ridículas há muito e hoje somos pessoas diferentes, peças de um quebra-cabeça que com o tempo (e a criança tentando encaixa-las com o controle-remoto da TV) se desgastaram, talvez não encaixem mais em peça alguma, mas isso só o tempo vai dizer, talvez a criança estivesse tentando forçar uma das peças de cabeça pra baixo, talvez elas fossem mesmo peças feitas para ficar juntas, talvez essas metáforas de peças e crianças com controles tenham me deixado meio louca, ou talvez a falta que eu sinto dele tenha feito isso. Talvez esteja na hora da minha novela, ou do remédio, ou de dar banho no gato.. Mas se você puder ler isso e puder dizer com certeza que não esqueceu da nossa pedra sob nossa árvore perto da calçada na esquina da 6 da nossa Rua Albuquerque, vou seguir a melodia que você emana, vou te encontrar e vou poder te dizer com certeza que te quero lá em casa, na bancada e com limão.
Hohoho..

domingo, 8 de março de 2009

sexta-feira, 6 de março de 2009

I'm a mess

Quem precisa escrever quando um milhão de coisas acontecem?

quinta-feira, 5 de março de 2009

A heart


Me importar? Eu não me importava, mas de repente parece que tudo o que eu preciso é colar meu nariz no seu, te roubar um sorriso e deixar o vento soprar o resto pra longe.

E não é que eu achei uma imagem que descreve bem?

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

The stranger

O beco era mais escuro do que eu esperava, mais silencioso do que eu esperava, mas eu estava lá. Ele me saudou tirando o chapéu, sorriu um sorriso torto e foi se aproximando, eu recuei um pouco, mas o olhar dele me capturou, congelei onde estava. Sua mão direita passou pela minha cintura me puxando para perto dele, tentei me afastar e ele me puxou mais forte, nossos rostos colados, respirações divididas, pulsações compartilhadas, ele me beijou com vontade, uma vontade assustadora. Soquei suas costas, me mexi como pude, ele nem parecia notar, a força e a determinação para impedi-lo foram sumindo enquanto ele explorava meu corpo, não sei exatamente quando, mas me toquei que eu o beijava de volta. As luzes foram se apagando enquanto ele roubava minha bolsa
- E.. corta! - Gritou o diretor. - Perfeito!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

But there's no place like home

Era noite e apenas as luzes amarelas da cidade iluminavam os rostos das três garotas no banco de trás daquele taxi. Um axé qualquer batia contra o veículo juntamente com o vento enquanto as três conversavam sobre lembranças, doses, pessoas e festas.

Por quê? Porque todo mundo precisa postar de vez em quando.

E outra coisa.. obrigada pelo carnaval, galera. Obrigada, deus dos feriados. Obrigada, incentivos químicos [tumdumtss] e afins. Amém.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

And you are turning into smoke

E aquele cheiro? Aquele cheiro que me consome, que me embriaga, aquele teu cheiro, o cheiro que eu tanto odeio. Aquele cheiro que me machuca profundamente, ele está por toda a parte agora, em minhas mãos, em meus lençóis, em meus cabelos, pelo meu quarto, pela minha casa, por mim, dentro de mim.
Eu preciso que você o leve embora, esse cheiro que me faz lembrar, esse cheiro que me faz sofrer.
Esse cheiro que ficou em mim.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Rascunhos

Três pessoas diferentes, três datas diferentes, três rascunhos diferentes, de uma vez só.
"Fui ver uns vídeos e bateu uma saudade, de tudo, da sua risada engraçada, de falar junto com você, de te contar como vão as coisas e até daquelas suas manias e esquisitices. Fiquei com uma vontade de te ligar, te mandar uma mensagem, só pra você lembrar de mim, mas já estava tarde, daí eu vim pra cá. Sentei na cadeira, fiquei rolando a página, pensando, pensando, com todo esse amor e essa saudade repentina dentro de mim, fui inflando. Abri uma janela e comecei a escrever pra quem quisesse ler, um texto enorme, sem parar, era tanta coisa, tanta coisa, eu poderia passar um dia inteiro escrevendo.
Tudo isso naquele dia e só porque eu precisava contar que te amo. E sorrir depois disso, e te ver sorrir também."

"Eu vi nos seus olhos, senti no seu jeito, no seu corpo e no seu beijo aquela estática. Aquela sua vontade de me dizer alguma coisa, ou talvez tenha sido apenas falta de discrição da sua parte. Tudo bem, aposto que você também notou na minha cara de boba que eu estava morrendo de saudade."

"- Oi. - Disse a voz rouca dele.
- Oi, amor. Tudo bom? - Perguntou a dela.
- Tudo.
- Como tá sua testa?
- Tá bem. Nossa, você perdeu! Cheguei aqui e todo mundo ficou tipo 'caráleo, o que é isso na sua testa, você foi assaltado, né?!' e eu 'é, é, eram três caras enormes!' daí eles 'sério?' aí eu 'não, bati a cara na porta de vidro.'
Ela riu.
- Ei, não ria de mim!
- Estou rindo pra você, amor. Você sabe.
- É.
- E então?
- É.. eu só liguei pra..
- Pra me contar que você está vivo. Sabe, eu estava superpreocupada.
- É, exato, pra contar que estou bem.
Ela sorriu. Ele suspirou.
- Ok, na verdade eu liguei pra te contar que.. que eu gosto muito de você. E de, sabe.. passar tempo com você.
- Eu também, amor. Foi superlegal nossa tarde. Obrigada.
Ele sorriu.
- Ei, que horas na sua casa amanhã? - Ela perguntou.
- Ah, o pessoal vai chegar umas onze. Me avisa se vem, mais tarde.
- Ok, te deixo um recado, sr. Vou Estar Numa Festa.
- Tudo bem. Até, amor.
- Até."

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Momento cotidiano

Decidi postar as coisas exatamente como acontecem, chega de enigmas pra maquiar meus sentimentos, resolvi começar com algo simples hoje.
Uma música: Your Call.

Eu estava trabalhando no meu dever de sociologia como a boa garota que sou, meu celular tocou, apoiei os pés na escrivaninha e me empurrei até a cama para atende-lo. Quando toquei no botão verde, três pingüins saltaram da tela e começaram a sapatear sobre a minha mochila, eles se apresentaram como Ping, Kim e Fez. Ping começou a cantar Your Call enquanto Kim e Fez o acompanhavam no backing vocal. Fez teclou o botão vermelho do celular no fim da música e os três pingüins saltaram de volta para dentro do aparelho, aplaudi emocionada e voltei à bancada para pensar em mais definições para a palavra 'status'.
[Nota: Kim me explicou que sair do meu celular e cantar Your Call não foi nenhum tipo de trocadilho.]

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Abri o medalhão, aquele que você me deu, e todos aqueles sentimentos antigos me atingiram. Foi como se eles nunca tivessem ido embora, na verdade eles nunca foram, só estavam guardados, trancados, até meio que esquecidos. Aquela paixão, a vontade de você, tudo ficou tão nítido em mim.
When I thought he was mine, she caught him by the mouth
I waited eight long months, she finally set him free
I told him I couldn't lie, he was the only one for me

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Poças no asfalto

Ela estava sentada na calçada, ele estava debaixo de um prédio, chovia. Ela escondia o rosto com as mãos, ele fumava qualquer coisa, chovia. Ela tinha água até nos bolsos do casaco, ele observava sua agonia de longe, chovia. Ela batia o par de botas no meio-fio, ele andava de um lado para o outro, chovia. Ela esfregava os olhos constantemente, ele pensava em como se aproximar, chovia. Ela tossia, ele corria até ela, chovia. Ela o observava, ele se molhava, chovia. Ela encarou o par de tênis parados em frente as suas botas, ele gaguejou "Vo-você tem.. fogo?", chovia. Ela examinou seu par de olhos castanhos por trás dos cachos grudados em sua testa, ele sorriu um sorriso torto, medroso, chovia. Ela fez que não com a cabeça, ele tentava ler o que ela tinha em mente, chovia. Ela voltou a observar as botas, ele disse "tudo bem, devem estar molhados demais pra qualquer coisa" e jogou o que restava do maço no chão, chovia. Ela deu uma olhada na caixa vermelha "Marlboro?", "É..", chovia. "Meu pai fuma isso..", ele olhava pra ela, ela não olhava pra ele, chovia. Ela lhe lançou um olhar gelado, vazio, ele não se conteve "Olha.. você está bem?", chovia. "Estou bem, só dói quando eu respiro.", "Por quê?", chovia. Ela não respondeu, ele se sentou ao seu lado, chovia. Ela apoiou a cabeça em seu ombro, ele estava sem-jeito, chovia. Ela chovia, ele passava a mão em seu rosto, em sua nuca, a chuva chovia. A chuva choveu, ela choveu e ele choveu junto.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

É o que vem depois da chuva



Adoro quando as coisas parecem que vão dar certo. Por sinal.. sou apaixonada por este sentimento.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

"Hoje eu tou achando que:

Porque cada hora a gente tá achando uma coisa, sabe? A gente não precisa se arrepender do que pensa, porque foi só o que você pensou aquela hora, cada hora você pensa diferente."

I never let love in so I can keep my heart from hurting
But the longer that I live with this idea
The more I sink in

With this 4/4 beat I’m in time with you
With this 4/4 beat I would die for you.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Depois de ler

"Por consideração à você escrevo esta carta. Eu te amo, você sabe. Um dia você me disse que não prestava, eu ouvi e acreditei.. e consegui me apaixonar por você mesmo assim. Agradeço por você ter gostado de mim também, não me arrependo de ter segurado sua mão em momento algum, mas não posso mais viver assim.. com a certeza de que você nunca vai me amar, ou quem sabe ame, mas até lá será tarde demais. Não quero ser seu plano B, quero ser aquela em que você pensa quando acorda e quando vai dormir, mas parece ser pedir demais. Hoje decidi sumir da sua vida para o bem de todos, e vou sumir mesmo. Jogue fora depois de ler, assim nada de mim restará aqui. Com amor, eu."

Caí de joelhos no chão de madeira quando terminei de ler o papel que estava sobre a minha cama, tirei a caixinha preta do bolso e me agarrei à aliança que estava dentro dela. Se eu tivesse chegado mais cedo, merda!
Era mentira, o cheiro dela ainda estava nos meus lençóis e um pedaço dela dentro de mim.

sábado, 31 de janeiro de 2009

Down side up

Sonhei que tinha publicado um livro, virado astronauta e ficado zilhonária.
Sonhei com crise de meia-idade numa melodia familiar.
Sonhei com um ralo gigante, com a escada da casa do Miguel e com uma bolsa assassina.
Sonhei que não conseguia dormir, dormi que não conseguia sonhar e consegui que não sonhei, dormi.
Aí madruguei e vim postar no blog.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Receita de familia

Peguei a chave no bolso do casaco e a girei na fechadura, depois do devido click abri a porta. Algo macio foi de encontro ao meu rosto e eu congelei, a coisa toda congelou quando eu tirei o seja o que for dos meus olhos, as crianças estavam bem na minha frente, cada uma segurando um bolão de massa, mais afastado estava o idiota do meu namorado, os três olhavam pra mim assustados. Vi os restos mortais do bolo de espinafre que eu tinha feito de manhã e deduzi que a parte que faltava dele estava no meu rosto e nas mãos das crianças. Coloquei um pouco na boca e descobri porque as crianças o estavam atirando ao invés de comendo, eu realmente não havia nascido para cozinhar. Que bom que nunca me iludi.
- Eu.. ahm.. foi idéia das crianças!
Respirei fundo, tirei o resto de bolo do rosto e andei lentamente até ele. As crianças deram alguns passos discretos para longe de mim, mas meu olhar malígno o havia hipnotizado completamente. Pressionei minha bochecha contra a dele, sussurei "achei que eles fossem as crianças" e esfreguei todo o bolo que tinha nas mãos contra a boca dele.
- Rápido, meninos, peguem o resto do bolo! - Eu gritei.
Meus pequenos jogaram todo o bolo nele, fiquei bem orgulhosa. Depois foi só oferecer um prêmio para quem limpasse melhor e eu pude dormir tranqüila. Sei que meus meninos agora tem um novo 'pai', e sei que nada vai dar errado porque eu posso ficar de olho neles. Estou perdidamente apaixonada pelas minhas crianças, as três: meus meninos e meu namorado. E apaixonada por como eles me fazem sentir inteiramente feliz.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

3/1/09

"Acordei um dia, louca pra te contar do meu sonho; fui tomar café e lembrei que você não come pão com margarina por uma frescura qualquer; fui à praia e pensei em como seria demais se você estivesse lá comigo pegando um bronze, levando um caixote ou apenas conhecendo aquele pedaço de minha cidade; saí pra almoçar e vi um prato com cogumelos que aposto que você pediria; fui à casa de uns primos e passei a tarde correndo atrás deles, você bem que poderia estar lá com a gente, certeza que você gostaria deles; meu celular tocou e eu esperei que fosse você, só pra contar que sinto sua falta; já era noite quando voltei pra casa, a cidade brilhava pra mim e até as luzes me lembravam você. Você bem que podia estar aqui. Aqui. Sinto sua falta."