terça-feira, 9 de setembro de 2008

Pirando devagar, mas começou faz tempo

Aqui jaz meu mundinho cor de rosa.
Ele caiu de uma altura muito grande, muito grande para sequer pensar em suportar, pensar em não se quebrar em mil pedaços. Pois é, ele caiu e quebrou. Os cacos de infância e esperança são pequenos como grãos de areia, grãos como aqueles dos meus castelinhos, grãos como aquele que queria casar com uma estrela na história que a minha avó me contava.
Meus objetivos agora são simples, claros, ridículos. Fazer o que sempre me foi proposto, mas como me recusei está sendo imposto. Por que nenhum dos livros que eu li me contaram sobre essa linha? A linha ténue do fim da infância, a linha do começo da vida, eu gostaria de ter lido sobre ela antes de tê-la atravessado tão desajeitadamente. Sinto-me traída pelos livros, ao invés de me informar eles me iludiram, me fizeram acreditar que eu podia ser o que quisesse, que eu encontraria um daqueles caras tipo-pirata, que as reais dificuldades eram sociais,.. Estou sendo reprogramada, sinto tudo aquilo que meus livros infanto-juvenis me ensinaram sumindo, sumindo.. Escapando por entre os dedos.
É quase como se alguém estivesse girando meu cérebro com uma colher, se fosse possível a sensação seria parecida. Por que quando eu mais preciso de flores recebo espinhos seus?
O mundo é grande demais para não se ter medo, tenho medo de crescer e ter que sair. Eu sempre achei que adultos fossem máquinas, nasciam prontos sabendo das coisas, sabendo cuidar deles e da'gente, sabendo pagar conta, cozinhar, dirigir e todo o resto. Estou descobrindo que não, adulto não nasce grande, adulto já foi criança, adulto já foi adolescente rebelde sem calça, adulto já fez besteira, já errou e já não soube continuar. Eu não quero crescer, eu tenho medo, eu consigo? Só não posso deixar o mundo me vencer.

8 comentários:

Seph disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Seph disse...

a vida é assim mesmo, ja aprendi isso a tempos e o mundo venceu, dps de 1693 anos de vida, o que eu aprendi com meus 14 são validos. Nada é real, a unica coisa que se vale a pena lutar é a pessoa amada, o resto, não importa o quanto vc lute, você só vai conseguir o que vc tem a chance de conseguir, nem adianta querermos o melhor carro do universo se apenas decorarmos tudo aquilo que ensinam pragente. Tem que aprender essas coisas, ter uma cabeça formada, e não uma cabeça cheia. Com o tempo vc aprende.

I! disse...

Você sabe que não precisa deixar tudo isso pra trás.A infância eu quis dizer.Porque,como você mesma já escreveu uma vez,infância é um estado de espírito.
Os adultos que são divertidos,crianções,brincalhões também se tornam 'algo na vida'.A gente não precisa pirar,não precisa virar máquina pra se tornar gente grande,pra ter o tal 'bom futuro'.A pressão é grande,eu sei,eu sinto,mas não tem que ser assim.Nem todas as regras devem ser seguidas e se a gente não quiser virar um vegetal e futuramente um funcionário público bem característico vamos ter que nadas numa corrente diferente,não contra a corrente de todos,mas numa outra,uma que nos deixe ser nós mesmos e mesmo assim ser o tal 'algo na vida'.A gente vai ter que quebrar algumas regras.
A vida PRECISA de diversão.
Eu não sei você,mas EU não vou ter a vida que a sua mãe acha ideal..Nem que para isso que tenha que não passar no PAS.

I! disse...

'nadas' = nadar.

Nina Ridd disse...

linda, a teacher não conseguiu crescer, falhou. Por isso, brinco de pagar conta, brinco de cozinhar, brinco até de estudar, porque nem isso eu soube fazer com propriedade de estudante sério... meu chefe me mandou entrar em 2 cursos esse mês, to brincando de aprender, porque esses são cursos de adultos e só pra professores... olha pra mim: NÃO TENHA MEDO.
amo vc, pequenina onde não cabe o que quer sair de dentro.

Bee. disse...

Mas é claro que existem defeitos nessa Fábrica. Sempre tem uns desses robôs que vem com uma peça a menos e acabam... fugindo dos planos, dos objetivos. (:
É só querer. O Gigantesco e Assustador Mundo não pode te vencer se você não quiser.

D. disse...

não tem mais nada pra dizer, já disseram tudo.

D. disse...

tava passando mal..